Atendimento online amplia o acesso dos brasileiros ao tratamento psicológico

Atendimento online amplia o acesso dos brasileiros ao tratamento psicológico

Vou compartilhar com vocês uma história recente, que me deu muita alegria. Trata-se de um tratamento que realizei totalmente online e que mostra a importância dessa modalidade de atendimento psicológico.

Vou chamar a paciente de Amanda, um nome fictício, só para efeito desse texto. Quando a conheci, em julho do ano passado, ela estava passando por uma grave crise de síndrome do pânico.

Havia cerca de um ano que Amanda tinha se trancado. Sua vida social era, no máximo, levar o filho à escola. Só saía quando o marido a acompanhava.

Com o tratamento, fomos descobrindo que, um ano antes de começarem seus sintomas, Amanda tinha saído de casa para se casar.

Os pais não aprovavam o casamento porque não queriam que a filha saísse do interior e viesse para São Paulo. Além disso, Amanda trazia o histórico de sofrer agressões por parte de seu pai, que também batia na mãe da garota.

Quando me procurou, Amanda estava em frangalhos. Tinha muito medo de sair de casa e o atendimento online era sua única alternativa, a não ser que o marido sempre a acompanhasse em todas as seções.

O tratamento

Optamos por um tratamento intensivo, com seções semanais nos três primeiros meses. Depois disso, elas viraram quinzenais. Tudo online, essencialmente com videoconferência e, vez ou outra, com troca de mensagens.

Aplicamos principalmente técnicas da TCC (Terapia Cognitivo Comportamental), como o trabalho com os pensamentos automáticos e com as crenças nucleares e depois passamos a técnicas de exposição, ajudando Amanda a voltar a sair, bem aos poucos.

O resultado foi bastante positivo. Amanda voltou a sair de casa e conseguiu um emprego já em novembro. Professora de filosofia, em janeiro agora foi até promovida.

Baseado no caso de Amanda, quero destacar algumas vantagens do atendimento psicológico feito dessa maneira. Vamos lá?

Vantagens do atendimento psicológico online

  • Pode ser feito de qualquer lugar. Basta ter conexão com a internet. Por isso, ele chega a locais em que muitas vezes não havia profissionais e com isso a psicologia chega a mais gente.
  • Acessibilidade. O caso de Amanda mostra que mesmo quem não consegue sair de casa pode ter um ótimo atendimento psicológico. Idosos e outras pessoas com mobilidade reduzida também podem se beneficiar desse tipo de serviço.
  • Atende praticamente todos os casos. Seja criança ou adulto, homem ou mulher, a maioria dos atendimentos pode ser realizada online. Há umas poucas exceções de que falaremos adiante.
  • Sigilo garantido. A legislação que regulamenta o atendimento online garante o total sigilo do paciente, assim como acontece numa consulta presencial.

Há poucas situações em que o atendimento online se mostra inadequado e que, por isso, são proibidas pelo Conselho Federal de Psicologia desde 2018. Vamos a elas.

Situações em que é proibido o atendimento online:

  • Pessoas e grupos em situação de emergência e desastres.
  • Pessoas e grupos em situação de violação de direitos ou de violência.

Por fim, a legislação também obriga que o atendimento feito online para as pessoas com deficiência deverá “respeitar as especificidades” e usar métodos e instrumentos adequados, o que busca garantir a qualidade e a acessibilidade do atendimento para esse público.

Gostou do post de hoje ou já teve a experiência de passar por um atendimento psicológico online? Conte pra gente! Teremos prazer em conversar!

Deixe uma resposta